Rebelião no Alcaçuz, maior presídio do Rio Grande do Norte

Facções

Por volta das 18h da tarde (sábado,14), no presídio de Alcaçuz, o maior do Rio Grande do Norte, se iniciou uma rebelião, segundo o governo, motivada por uma briga entre facções: O PCC (Primeiro Comando da Capital) e o Sindicato do Crime.

O motim se iniciou quando membros da facção inimiga invadiram o pátio onde se encontravam outros presos.

Super lotação

Com super lotação (50% a mais que a capacidade), o presídio já registra há anos, várias fugas de presidiários, uma vez que, construído sobre as dunas, no município de Nísia Floresta, (há 25 km de Natal), torna fácil a escavação de túneis, propiciando a fuga de presos.

A área externa ao presídio já se encontra sob o controle das autoridades policiais (BOPE, BPCHOQUE e Força Nacional) que aguardam ao menos o amanhecer para acessar os pavilhões do Presídio de Alcaçuz. Contudo, pode se observar que há fumaça na parte interna e sons de tiro.

Autoridades

Há registro de mortes, segundo o Coordenador da Administração da Penitenciária: “Deu para ver as cabeças arrancadas”. O secretário de justiça e cidadania do Estado já reforçou que: ” A ordem é retomar o controle e evitar rebeliões em outras unidades”, dessa forma, acionando todos os agentes penitenciários que estavam de folga.

Essa rebelião, segue as ultimas que ocorreram no Amazonas e em Roraima, contabilizando cerca de 100 mortes.

As autoridades tentam acalmar os familiares que aguardam o desfecho e buscam informações acerca de seus familiares em frente ao presídio.